Druam

Druam tende a estar sendo uma experiência "ficcional" em devir. Os contos têm sua ressonância conceitual nos blogs "Cosmos e Consciência" e "Oniric Ontology". O atrator de ambos é Nelson Job?

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job
Livro de Nelson Job que relaciona os saberes construindo uma nova apreensão dos sonhos com desdobramentos para para a acontecência. Para mais, clique na capa.

Índice

ÍNDICE: Contos

Pesquisar este blog

27.2.10

-01. As Egrégoras do Tempo

Época distemporal. Nos remetemos a um "passado" que coexiste. Job ressoa comigo e com este, chamado... Druam? Mas no cosmos de Job?

Grã-Bretanha. "Época Medieval". Esse Druam é triste, pois seu pai foi preso pelo reino. Preso pois profeciava o fim do reino. O rei, então possesso, determinou prisão. Calabouço de pai, dor de filho. As cortesãs debochavam de suas vestimentas simples, camponês. O pai, era. Sua morte desfalece Druam. Mãe e irmã, deixam junto a ele, a plantação de algodão. Fogem pra o nada.

Na viagem, assaltos. Serem assaltados pelos destino ressoou em um assalto criminoso, sobram esperanças fatigadas. A família de Druam habita o em torno do rio, longínquo. Se retira, para despensar. Aviso cósmico, volta-se. Soldados e assassínio das mulheres. Ele chega, chora os corpos. A alma apodrece, sobrando vingança. Sem pensamento, vestígio de homem. Druam continua a morte.

Em mantos soturnos, prolongando a noite, Druam tira a vida de um soldado, agora, voltado ao reino. E o outro. No suspirar ermo desse, ele se depara com sua esquecência. Sou humano? Tornei-me redentor da morte?

Druam envinha-se na taberna. Os fluxos sanguíneos pororocam-se com a bebida de Dioniso, não há mais nada...

Acorda. Transeuntes o acodem. Ele, assustado, órfão, ruma para além. Sem si, sem mundo. Apenas anotações paternas.

Rumo paronde? Vagueia-se, vagueia-se. Teje caverna! Druam adentra na escuridão do mundo, que se torna ele. Toma os cadernos do pai. Esse agora é seu mundo. Alquimia. Premonição. Mística-natureza. E anos.

Muito se emerge. Druam perde seu eu, que desvolta, agora outro. As barbas brancas do tempo são suas. O livro cresceu. A jornada entre mistérios se fez. Eu agora, co-mundo. Os arremedos de fim clamam por sementes. Druam quer em-sinar. Depois de muito, ele volta às cidades.

O antigo reino, como o pai chorou, se desfez. Druam agora chega em um novo reino e prega, na praça. Louco de saber, olhares o temem, o ignoram. Depois de tempo, quanto não sei, seguidores congregam. A caverna atrateia. A egrégora formando. Druam, enfim, mestre.

Cantam, sombrios, profundos. A melodia atravessa as eras, escuto-as. Celebram a vida, a natureza. Ritualiza-se a vida, a vida é ritual. Sabedoria, bela, melancólica, profunda.

Druam adoece. Em seu leito, a menina. Olhos azuis brilham: dor. Ele sabe que ela virá a ser sua grande alastradora, sua dobra no cosmo. A lembrança da menina aquece a solidão. Tão raro me sentir assim, solidão, ainda que necessária. Druam, prenúncio da morte, é querer de mais leveza, uma alegria tardia rola na grama, sorri, gargalha. Promete devir.

Morre. Cantam, fúnebres: seu enterro. Seguidores chorosos deixam uma de suas sandálias cair. Job, atravessando o mero presente, coloca-as no lugar. Nós nos tratamos, através das eras.

Druam fluxa pela luz, encontra a família, feliz. A irmã, é irmã hoje. Um arrepio anuncia as trevas, e vê, nelas, os soldados que matou. Chora o perdão, fachos de luz permutam o perdoar. Druam cumpre sua vida. Os céus se dobram. Além.

O ser verde, mas egípcio, telepata-se: "Ligue os pontos do cosmos, faça com que egrégoras outras se conectem. Assim é o seu fazer."

Eis que aqui(s) estamos.

Nenhum comentário: