Druam

Druam tende a estar sendo uma experiência "ficcional" em devir. Os contos têm sua ressonância conceitual nos blogs "Cosmos e Consciência" e "Oniric Ontology". O atrator de ambos é Nelson Job?

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job
Livro de Nelson Job que relaciona os saberes construindo uma nova apreensão dos sonhos com desdobramentos para para a acontecência. Para mais, clique na capa.

Índice

ÍNDICE: Contos

Pesquisar este blog

12.11.11

De Fingir-se Farsante




Concebi-me outrora personagem. Aquele personagem assim, de mim mesmo, quero dizer. Foi quando, em uma conversa, acho que no bar... ou em uma festa, não lembro bem, disse com tanta convicção alguma coisa, e todos me olharam com seriedade, levando-me a sério muito mais que eu próprio. Vi-me farsante, suscitando em mim o que não havia, carente eu de convicções, forjei-as, cultivei-as como se minhas fossem. Outros apareceram em mim, achei até pior. No cinema, um filme que achei bobo, mas que todos riam, fiz-me rir até chorar, gargalhava, mas a beira do pânico, poucos sabiam. Quando Xândria adoeceu gravemente, me fiz triste, triste; era consolado a todo canto e ria por dentro (só às vezes, pensando bem) da piedade alheia. Entediei-me no trabalho, apesar de ser considerado “o empregado do ano”. Grandes merda...

Sentia crescer em mim um assassino, um manipulador de massas, um ditador. Tornavam-se verdades efêmeras. Como é poder matar sem culpa? Experimentei ser alguém que não tivesse essa culpa, por alguns momentos. Um mundo todo, sem ética, se abriu pra mim, um véu total caiu. Vislumbrei esse mundo, em que meus atos poderiam forjar de repente. É essa a sensação daqueles que, simplesmente, desistem das convenções sociais. Mas, ainda que supostamente livre, senti que a liberdade ainda maior não dependia de poder fazer qualquer coisa com o outro, mas ser-me plenamente. E aí não há destruição alguma sequer, apenas quase-desconexões que formam outras conexões mais consistentes.

As dores que sinto, as alegrias que compartilho, as dúvidas e insights; as simpatias e antipatias... todos cambiantes, tangentes, ineficazes? Vi que não era um personagem, mas que eu fingia ser um farsante. Crio e me recrio ao sabor dos vetores de existência, minha suposta crise existencial é apenas um alento (desnecessário?) na ausência de conceber o insofismável: crio-me o tempo todo, a criação não tem sentido aparente, apesar de depois, eu olho pra trás e vislumbro uma narrativa, narrativa essa de mim mesmo, da minha – por assim dizer – vida. Finjo ser farsante para mim – sei que não sou aquilo, mas serei, sendo-o já, um pouquinho. O criador é criatura, dão-se as mãos univitelinas para se abandonar na próxima criação. Assusto a todos de soslaio, mas apenas eu sei porquê. Por que tenho agora a consciência de que somos o que criamos praquilo. Geralmente, as pessoas se enxergam como um amálgama simples de emoções e memórias, suas nuances de outros seres em si são sufocados pelo hábito, pela rotina, ilusionando a continuidade retilínea de suas vidas. Não percebem a usina criadora que enxurra. Por isso comecei a incomodar. Não por me acharem farsante, mas porque quando eu deixei de fingir ser farsante pra exercer a plenitude dos eus em sequência e até sobrepostos, identificando a rehumanidade do mundo, expresso o torpor da identidade. Assustei-me, chorei-me e ri-me. Eis que sempre fora assim, assado. Mas as contas a pagar em seu nome, o álbum de fotos, a tosca memória criou um elo frágil, que se rompe nos desentendimentos do cotidiano. Amigos me dizem que eu “não era assim”. Ora, nunca fui, se sou outro; e pasmem: vocês também! Não que me sinta sozinho nesta constatação. Tem um personagem que aparece em cada um que sabe disso, mas esse personagem tem por crise passar. Mas o atrator que sou, mantém geralmente a consciência que só finjo ser farsante. Ou antes eu era assim.

Um comentário:

Carol Grether disse...

Esse texto parecia perfeito para ilustrar o que foi falado hoje, no grupo..entre outras coisas, o processo de criação, né?
Mto legal vc escrevendo :)adoro o Druam!