Druam

Druam tende a estar sendo uma experiência "ficcional" em devir. Os contos têm sua ressonância conceitual nos blogs "Cosmos e Consciência" e "Oniric Ontology". O atrator de ambos é Nelson Job?

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job

Livro "Ontologia Onírica" de Nelson Job
Livro de Nelson Job que relaciona os saberes construindo uma nova apreensão dos sonhos com desdobramentos para para a acontecência. Para mais, clique na capa.

Índice

ÍNDICE: Contos

Pesquisar este blog

23.3.13

Aluguel Atrasado na Terra de Ninguém


Conto inspirado pela imagem de Clarissa Leal:

 
      veja a imagem original no blog Cla Leal



Nunca sei bem quando as coisas começam. Acho que começou com aquele tratamento de homeopatia. Apareceram várias reações: tive ao mesmo tempo todas as doenças que eu tive na vida. Lembro de dor, sangue, desespero, enjoos, enxaquecas, estômago revirado... Fiquei muito tempo de cama. Quase calado. A questão é que as mudanças, é claro, estavam longe de serem apenas físicas. Foram emergindo forças inesperadas, desejos inomináveis.

Quando fiquei melhor fisicamente, as minhas relações não faziam sentido nenhum. Reconhecia meu pai, minha mãe, minha irmã, mas apenas isso. Não identificava em mim mais nenhum traço de pertencimento aquele convívio. Fui dar uma volta, encontrei um amigo. Suas preocupações do tipo “ela não me ligou mais”, “acho que vou ser demitido”, “vai chover no fim de semana” me pareceram tão sem sentido que me despedi de forma abrupta, de forma que ele ficou notadamente ofendido. Foda-se.

Minha namorada (?), meu caso (?), não sei bem mais, marcou um encontro comigo. Esbarravam algumas memórias de como eu gostava do seu cheiro e da sua ternura brejeira, mas ali, eu não sentia nada. Consegui reunir forças pra ser calmo e compreensivo quando disse que nossa relação não fazia mais sentido. Talvez em outro momento eu tivesse vergonha em dizer que não a abracei para “acolher seu pranto”.

Meu trabalho na vídeo locadora: não conseguia dar mais os risos amarelos pros clientes, nem indicar filmes, mesmo sinceramente. Cheguei em casa e comecei a traçar os planos de uma outra vida.

Fui para outro estado, com perdão do trocadilho. Os primeiros dias foram interessantes, mas as semelhanças com tudo que vivi antes começaram a transbordar e logo ficou claro que eu precisava mudar de país.

Viver em um lugar com outra língua trouxe um impacto sereno. Mas os clichês do Ocidente se tornaram explícitos depois de alguns meses, foi quando decidi ir para o Oriente. Lá fiquei por alguns anos, depois fui assombrado pela... como chamarei... “natureza humana”?

Fui viver na floresta, perto das montanhas. A vida selvagem era deveras interessante: não havia hipocrisia, nem palavra falada, embora houvesse uma diversidade de linguagens: dos ventos que anunciavam as mudanças de clima, assim como a dos pássaros; das corujas, que interligavam as noites; os jaguares, que evocavam visceralidade e as pedras, que possuíam a peculiar linguagem da permanência.

As décadas (agora sei que foram "décadas") na vida selvagem deixaram marcas. Quase morri algumas vezes, o que pouco importa. O reflexo na poça anunciou fios grisalhos. Curiosamente, essa imagem me remeteu a novas circunvoluções.

Cortei o cabelo, arrumei roupas velhas. Passei por algumas cidades que possuíam sua singularidade, sintaxes próprias, sotaques, mas também uma “cidadedade” quase universal.  Em um dado momento, passei pela outrora minha cidade natal.

Estar com os familiares e amigos ainda vivos me provocou sorrisos. Já o estupor causado pelo meu “retorno” não me afetava. Agora eu posso estar aqui como em qualquer lugar. Todo lugar é, para mim, uma Terra de Ninguém, em outras palavras, eu me achei na perdição. Não existe lugar “certo”, nem postura adequada. Pago meu aluguel quase todo mês para a Terra de Ninguém. O aluguel é sempre atrasado na Terra de Ninguém.






Nenhum comentário: